sábado, 8 de novembro de 2008

.
.
ESTOU VIVO!
SINTO SAUDADES!
.
.
.
ROBERTO ROMANELLI MAIA
.
.
Em muitos momentos de minha vida
eu sinto saudades
de tudo que significou momentos e realidades
marcantes em minha vida.
Se vejo fotos, filmes, videos, sinto perfumes,
essências e cheiros,
escuto vozes que me eram familiares no passado,
eu percebo que retorno a certos instantes
de minha vida...
Como se tornasse a viver, novamente,
o que ficou para trás...
Sim, sinto que regressei a um passado que,
de certa forma, não morreu...
E lamento a ausência de amigos com quem
nunca mais tive contato...
De pessoas que nunca mais estiveram presentes
em minha vida...
Sim, sinto falta de situações vivenciadas
em minha infância e adolescência...
Do primeira namorada e do meu primeiro amor...
Da primeira relação sexual que aconteceu
aos dezesseis anos...
Com uma mulher que tinha o dobro de minha idade!
Mas cujo sentimento, alma e coração
não tinham idade...
Sim, sinto saudades do que não vivi, nem senti!
Nem fiz e nem realizei!
De um passado que nunca deveria ter ido embora...
Nem desaparecido...
E sinto falta de quem deixei pelo caminho...
De amores frustados, não resolvidos
e não continuados...
De ter sido, muitas vezes, mal entendido
em meus sentimentos e emoções...
De ter interrompido ou deixar que fosse relações
que nunca deveriam ter findado em ambos
os corações...
Sim, sinto saudades daqueles que não aconteceram
nem apareceram em minha vida...
Por eu estar correndo em busca de algo mais!
Ou porque alguém, por não me conhecer
melhor, não soube diminuir o seu próprio ritmo...
Para me colocar em sua vida...
E sinto saudades de quem pensei que viria conhecer...
Mas de fato nunca conheci!
De quem surgiu a minha frente, com tanta pressa,
que mal deu tempo para que eu a olhasse melhor...
E dessa forma não pude perceber o quanto
essa pessoa poderia ser importante em minha vida...
Sim, sinto saudades de quem já foi desta
para, quem sabe, uma melhor!
E daqueles que não pude dar um simples adeus!
Dos que apenas pude perceber ao longe, distante...
Sem que uma palavra fosse dita ou ouvida...
Das coisas que tive e que não soube aproveitar
como deveria...
Do que pensei vir a ter mas não pude,
Talvez por erro ou falha minha...
De ter experimentado muitas sensações
e emoções em minha vida...
Mas de ainda sentir que faltam muitas
e que não poderei, nessa vida, vir a sentir
todas elas...
Sim, sinto saudades da alegria, do riso,
do gargalhar ingênuo, hilário
e descompromissado que, tantas vezes, senti...
De atitudes, de ações e de reações sérias
tomadas em defesa de meus direitos...
Ou dos direitos dos que quis e amei...
De todos que frequentaram a minha vida...
Durante toda ela!
Em momentos os mais especiais,
através de uma música,
de um filme e de uma poesia...
Sim, sinto falta das coisas que também não viví...
Que deixei para lá...
Que não dei a importancia e o valor devido...
Dos sonhos que não consegui realizar...
Do homem que fui e que tento continuar a ser...
Até o ultimo suspiro!
Sim, sinto saudades por ainda buscar
não sei o que...
Nem onde...
De minha mais profunda insatisfação
com o que vejo no mundo de hoje...
De resgatar alguma coisa que foi perdida
e que gostaria de achar...
De um mundo menor onde as pessoas se entendiam,
se aceitavam e se respeitavam melhor...
Sinto saudades do que fui e sou
e do que ainda pretendo ser!
Sim, sinto saudades por saber que,
por senti-las, estou,
cada dia mais e mais, vivo!
Sim, VIVO!
.
.
.


.

2 comentários:

direitinho disse...

Boa Noite Sylvia
Acabei de ler este seu trabalho e quero dar-lhe os parabéns porque está óptimo e transmite não a sua, mas a insastifação de todos quantos procuram encontrar a perfeição em todas as coisas.
Tambem vivi e me revoltei muitos dias, porque o que me era agradável depressa sumia e depois me encontrava mais só e com todos os problemas agravados.
É bom recordar e reviver os tempos da nossa juventude,das nossas conquistas e das nossas mágoas. Reviver em encontros informais de colegas da escola, do secundario e até mesmo dos colegas de trabalho já aposentados.
Porem a vida vai nos ensinando que dessas recordações apenas podemos tirar algumas lições. A vida continua e agora devemos aproveitar este momento e esta amizade. Amanhã viveremos como pudermos e formos capazes e depois de amanhã voltaremos a ter saudade do dia de ontem.
A vida é assim!
A Amizade e os amigos nunca morrem.
Ainda que já tenham partido eles serão sempre nossos amigos.
As suas palavras, a vida e conforto que nos deram jamais nos esquecerão.
Para tudo isto há um nome VIVER

direitinho disse...

http://deltagata4.blogs.sapo.pt/

Hoje vim trazer-lhe este link para que possa ouvir a nossa música e escutar grandes vozes internacionais.
Espero que goste