quarta-feira, 1 de outubro de 2008

.
.
Hoje é o Dia Mundial do Idoso
.
.

.

O envelhecimento populacional é hoje um fenômeno mundial. Em 1991, o Brasil, de acordo com o IBGE, tinha 10,7 milhões de idosos e passou a ter, em 2000, cerca de 14,6 milhões. Já, em 2004, esse número chegou a 17,6 milhões. O crescimento não foi apenas em números absolutos, mas também percentualmente sobre o total da população brasileira, saltando de 7,3% em 1991 para 8,6% em 2000, chegando a 9,7% em 2004. A expectativa de vida do brasileiro ao nascer cresceu mais de três anos na última década e passou de 69,3 anos, em 1997, para 72,7 anos, em 2007. As mulheres ainda vivem mais tempo: em média 76,5 anos, contra os 69 anos vividos pelos homens. Os dados constam da Síntese de Indicadores Sociais 2008, divulgada pelo IBGE . Além do mais,a proporção da população " mais idosa", isto é, de 80 anos ou mais, também está aumentando,alterando a composição etária dentro do próprio grupo, ou seja, a população considerada idosa também está envelhecendo ( Camarano et al,1997). Isso leva à heterogeneidade do segmento populacional chamado idoso. A mudança desse perfil demográfico exige cada vez mais adequação na formação de recursos humanos , no sentido de expandir cada vez mais o campo da Geriatria e da Gerontologia, além de políticas que possam beneficiar essa população.

Posteriormente, farei novas considerações sobre a velhice.

.

Um comentário:

direitinho disse...

Bom dia
Parece-me que essa situação se verifica não só no Brasil, mas tambem em toda a Europa, na América e na Asia.
Por outro lado tambem há um numero crescente de pessoas novas que vão morrendo fruto de novas doenças como a obesidade, Sida, a má nutrição etc.
Há velhinhos com melhor qualidade de vida que muitos jovens. Eles são bons pensadores e não estão à espera de morrer. Agradecem cada dia de vida e preocupam-se por aprender e fazer coisas novas.
Recordo o meu Pai que morreu com 92 anos e sempre com uma capacidade invejavel - sem um queixume de nada. Cá vou indo - dizia-nos....