quinta-feira, 12 de abril de 2012

O constante diálogo



Há tantos diálogos 
 Diálogo com o ser amado
 o semelhante
 o diferente
 o indiferente
 o oposto
 o adversário
 o surdo-mudo
 o possesso
 o irracional 
 o vegetal 
 o mineral 
 o inominado


 Diálogo consigo mesmo
 com a noite
 os astros
 os mortos
 as ideias
 o sonho
 o passado
 o mais que futuro


 Escolhe teu diálogo
 e
 tua melhor palavra
 ou teu melhor silêncio.
 Mesmo no silêncio
 e com o silêncio
 dialogamos.


 Carlos Drummond de Andrade, in 'Discurso da Primavera' 


 http://www.citador.pt/poemas/o-constante-dialogo-carlos-drummond-de-andrade

Um comentário:

Luís Coelho disse...

Bom dia querida amiga
Saudades do seu cantinho.
A vida passa e nem reparamos em tantas coisas que ficam por fazer, dizer ou mesmo sonhar...

Drummond de Andrade é um pensador vivo que mexe por dentro de cada leitor.
Ninguém fica indiferente com a sua leitura.

Sinto saudades dos seus comentários em lidacoelho