sábado, 3 de abril de 2010

Reflexões da Madrugada: Esquece os Espinhos...



            À noite, quando as ruas estão desertas, é sempre o melhor momento para se fazer um exame de  consciência. Tenho por hábito dormir tarde. Os pensamentos se aclaram, os sentidos se aguçam. Abro a janela e contemplo o céu. A noite está linda! Procuro as Três Marias e encontro-as brilhantes. A do meio parece ser a mais bela, tem-me um encanto especial. No meu batiscafo, viajo ao âmago da minha alma...
            Crescemos e vivemos em um mundo dividido, marcado por nossas feridas e ansiedades. Lembrei-me do meu momento atual, em que o medo, a hesitação e a incerteza me deixaram marcas profundas, que o tempo, talvez, consiga apagá-las. Tento, preciso me desapegar dessas lembranças, para continuar buscando a mim mesma, a comunhão com o Universo e com Deus. Lembrei-me de Rumi, quando diz em um de seus versos:
            " Hoje é como todos os outros dias:
              acordamos vazios e assustados.
              Não abramos a porta da biblioteca
              para começar a ler. Larguemos a cítara.
              Deixemos que a beleza que amamos
              seja aquilo que fazemos.
              Há centenas de maneiras
             de nos ajoelharmos e beijarmos o chão".
             Quando paramos, reconhecemos como são especiais cada homem, cada mulher, cada ser vivente nesse mundo. O nosso modo de vê-los depende, na maior parte das vezes, do momento que estamos vivendo...Por ser incerto, o AMOR é tão precioso! Por ser incerta, a VIDA é preciosíssima! Cada minuto perdido com mágoas, ressentimentos, tristezas e outros sentimentos negativos tornam o nosso fardo bem mais pesado.
             Rumi, mais uma vez, nos lembra  para não deixarmos os sofrimentos serem nossa eterna companhia:
            "Quando vais a um jardim,
             olhas os espinhos ou as flores?
             Passa mais tempo
             com as rosas e os jasmins".
             E descubro uma serenidade, uma paz que há tempos não experimentava. Perdôo-me, do fundo do coração...Sei que preciso vivenciar essas dificuldades, para burilar-me o coração, a alma...Como disse Dame Julian de Norwich, com tanta beleza: " Tudo estará bem e todas as coisas serão boas"...
            É assim que pretendo estar, logo mais, quando chegar ao trabalho. Muitas pessoas precisam de mim, do meu equilíbrio, do meu sorriso, dos meus préstimos como profissional e como ser humano.
            " Passa mais tempo com as rosas e os jasmins". Esquece os teus espinhos....

Sylvia Narriman Barroso


                                                   

7 comentários:

direitinho disse...

Bom dia Querida Amiga
Como são nobres estes pensamentos e sentimentos que lhe saltam da alma.
Que viagem ao mundo interior.
Embarquei contigo e meditei nas maravilhas que Deus nos dá a cada momento, até as fraquezas me deram força para continuar em frente olhando o mundo com nova esperança e um amor renovado.
Votos de uma Santa Pascoa junto de todos os teus

amiguel disse...

Gostei sim !!
E a VIDA gostou concerteza
beijos
miguel

Anônimo disse...

Boa tarde, querida amiga!! Tu, como sempre, tão linda, serena e generosa. Te amo!!
Jinhos
Antonio Ferreira

Anônimo disse...

Leia e visite http://pretextoselr.blogspot.com

Abraço.
Eduardo LR

Anônimo disse...

Olá Amigas(os)

Gostaria de convida-los a visitarem o meu blog e deixarem seus comentarios. Ficarei feliz de compartilha-lo com voces. Digam o que está bom, o que não está e o que sentem ao le-lo. Todo este esforço vai me ajudar muito no meu projeto futuro. Obrigado(a) desde já. Que voces tenham uma semana abençoada! Bjs!!!

Margareth/Rachan

http://rachanfada.blogspot.com

Anônimo disse...

Sylvia,

Tem texto novo em

http://www.pretextoselr.blogspot.com
http://pretextoselr.blogspot.com


Abraço.
Eduardo L Resende

Jorge Sader Filho disse...

Interessante como os médicos têm sensibilidade literária apurada.
Sylvia convence! Mas quando me lembro de Guimarães Rosa, vem a certeza. Médicos e literatura andam próximos. nem tos os curas, evidente.

Beijos, Sylvia.
Jorge