segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Palavras de Paul Brunton




Paul Brunton
.
.
Na natureza, a soberania pertence às forças silenciosas.

A lua não faz o menor ruído e não obstante, arrasta milhões de toneladas de água do mar no vaivém obediente ao seu comando.

Não ouvimos o sol levantar-se, nem as estrelas ocultarem-se. Assim, a aurora da nova vida surge silenciosamente no homem, sem que nada a anuncie ao mundo.

Só na quietude pode o conhecimento do Eu Superior manifestar-se. Somente em profundo silêncio interior podemos ouvir a voz da Alma. Os argumentos ocultam-na e o excesso de palavras ensurdece-a e abafa-a.

A vida ensina-nos silenciosamente, enquanto que os homens instruem em voz alta.

A preciosa descoberta do verdadeiro eu dentro de nós só pode ser feita quando a mente estiver em repouso; as palavras apenas confirmam a realidade, mas não a explicam e jamais a poderão explicar, pois a Verdade é um estado de ser e não uma torrente de verbosidade.

O argumento por mais inteligente que seja, não substitui a realização pessoal.

Devemos experimentar se queremos viver a experiência.

A palavra "DEUS" não terá sentido para mim, antes de conseguir pôr-me em contacto com o absoluto dentro de mim mesmo e só então poderei inclui-la no meu vocabulário.

Os grandes problemas da existência individual, os sublimes tormentos da alma que assediam qualquer pessoa sensata, não podem ser resolvidos na região limitada do cérebro; ao passo que as respostas plenamente satisfatórias, esperam-nos no âmago sem limite do nosso próprio ser, substância divina da nossa natureza oculta.

O cérebro responde com palavras estéreis, enquanto a resposta do espírito é a vivência maravilhosa da iluminação interior.

O recinto da consciência está no âmago mais intimo de nós mesmos; cada um possui uma porta secreta que se abre para a luz, mas se não quiser fazer o esforço para abri-la condena-se a si próprio a permanecer nas trevas.

Aprendei a pôr-vos em contacto com o Eu Superior e resolvereis o problema a sós, de forma definitiva e independente do que diga qualquer livro, seja sagrado ou secular.

Alguns chamam de "meditação" este exercício, nome tão bom como outro qualquer. Chamar-lhe-ei repouso mental. A única maneira de entender o que significa exactamente a meditação é praticá-la. "Nem quatro mil volumes de metafísica vos ensinarão o que é a Alma" - exclamou Voltaire.

Como tudo o que tem valor, os resultados da meditação adquirem-se com muita lentidão e assiduidade e trabalho. Porém quem a pratica com o espírito requerido pode estar certo de alcançar a meta. Começamos com as provas experimentais e terminamos com a experiência divina.

A meditação é uma arte quase perdida no Ocidente. Poucos são os que a praticam e entre esses ainda menos compreendem o que estão a fazer.

O hábito de dedicar todos os dias alguns minutos para o recolhimento e repouso mental, prima pela ausência na vida dos povos ocidentais. Contudo, é um hábito de importância vital, cujos benefícios, se praticado, não podem ser demasiado exagerados, mas se negligenciado conduz a tristezas e aflições. Por mais que resistamos a este direito divino sobre nós durante o dia, somos incapazes de resistir ao eu interno durante o sono profundo e sem sonhos.

Então somos capturados pela Alma; então gozamos de repouso na nossa própria natureza, ainda que inconscientemente.

O controle do pensamento é difícil de se obter e as suas dificuldades nos surpreenderão, o nosso cérebro se rebelará. Tal qual o mar, a mente humana está incessantemente activa. Mas tal controle pode ser feito.

No centro do nosso ser mora esse Eu maravilhoso, porém para atingi-lo temos de abrir um canal através de todas as touceiras de pensamentos que o cercam e que nos fazem prestar incessante atenção ao mundo material, tornando-o a única realidade.

Nós os homens modernos, já começámos a dominar a natureza, mas ainda não aprendemos a dominarmo-nos a nós mesmos.

Ondas infindáveis de pensamentos nos perseguem e oprimem; atormentam-nos durante as insónias da noite e durante o dia permanecem grudados em nós.

Se pudéssemos apenas aprender o segredo do seu domínio e supressão, poderíamos mergulhar num maravilhoso repouso, numa paz semelhante à que segundo S. Paulo, "ultrapassa o entendimento".

Os cinco sentidos prendem-nos ao mundo material como se fossem de goma e querem um contacto físico constante em forma de objectos, pessoas, livros, divertimentos, viagens, e toda a espécie de actividades.

Só podemos matar o inimigo nos momentos em que os sentidos guardam silêncio.

Dominar a mente é dominar a si próprio.A Alma que controla a maré sempre activa dos pensamentos, pode vestir a farda de capitão e dar ordens à Natureza toda. Eis o que se chama o poder de concentração - a força que faz dos homens verdadeiros senhores do pensamento. Se nos sentimos incapazes de nos concentrar, então um pouco de prática diária nos dará a capacidade que nos falta. Os que procuram meditar, nem que seja por meia hora, com o tempo dominarão a corrente tumultuosa dos seus pensamentos vadios.

A decidida determinação da vontade iluminada de abrir o seu caminho através da sólida montanha de pensamentos e tendências do passado que o homem levantou ao seu redor, receberá um dia a justa recompensa. Ao sair por fim do outro lado, verá a luz e a paz que ultrapassam a compreensão (intelectual) humana.

A luz da mente é vaga e difusa no homem comum; cabe-nos encontrá-la até a converter num poderoso farol; depois qualquer que seja o objecto em que projectemos esta potente coluna luminosa, podemos ver claramente e adquirir pleno conhecimento sobre ele.

E este objecto pode ser meramente material ou uma ideia abstrata.

Converter o homem tão constantemente extrovertido num introvertido temporário, é uma das empresas mais valiosas. Ela o capacitará a contemplar picos serenos de puro pensamento.

Esta disciplina pode parecer um trabalho intolerável aos que a intentam, mas a recompensa vale mais do que o seu preço.

O homem-comum é um joguete do meio e das influência externas. É governado por tendências hereditárias e sugestões alheias. Ser capaz de controlar os seus pensamentos na azáfama e pressão da vida moderna, é uma valiosa conquista e a meditação produzirá tal controle. Dentro de nós está a eterna realidade que a crosta oculta. Este é o segredo da vida que tem desafiado os talentos brilhantes de homens ilustres e que será por nós descoberto e se tornará nossa jubilosa posse.

O nosso verdadeiro ser está sempre ali, mas a pressão dos nossos pensamentos e a atenção contínua que prestamos às coisas exteriores através dos sentidos abafam a suave presença do Eu.

Um dos resultados da meditação é capacitar-nos observar como funciona o Eu em relação à máquina intelectual, emocional e física.

Os intelectuais orgulhosos sentam-se nos seus débeis pedestais e esperam ser adorados, quando existe o tempo todo uma divindade habitando nas profundezas do seu coração, que é a única digna de adorações.

O verdadeiro gerador dos seus talentos e criador dos seus feitos, o ser que o satura do princípio de vida e assim lhe permite existir, satisfaz-se plenamente em permanecer em segundo plano, ignorado e despercebido pelos homens.

As grandes minas de diamantes de De Beer, na África do sul, foram descobertas por uma criança ao arrancar um pedaço de cristal negro do muro de uma velha fazenda holandesa, diante do qual, por tantos anos repassara tanta gente completamente alheia ao tesouro nos seus calcanhares!

Quantas pessoas já ouviram o suave murmúrio do seu ser interno ou perceberam a sua delicada orientação, somente para de seguida apagá-los sem nada entenderem?

Se formos bem sucedidos em levantar a ponta do véu da consciência, que o sono profundo representa, poderemos descobrir o significado do céu e da terra. Para o estudante que entrar nesta condição, morrerão necessariamente todos os pensamentos que lhe chegarem.

À mente europeia é difícil conceber um tal estado, em que a consciência humana subsiste sem pensamentos, mas poderá constatar isto pela prática e experiência.
A descoberta de uma "estrela" de cinema é celebrada pela imprensa de todo o mundo, ao passo que a descoberta do eu espiritual de um homem se faz em completo silêncio, sem os louvores do mundo. Saberemos que estamos a ingressar na aura do verdadeiro Eu pela experimentação de um sentimento de felicidade. Este é apenas o estágio inicial.

O último será uma união extática.

Kabir, o poeta-tecelão de Benares escreveu:

"Tendo abandonado as coisas do mundo,
Esqueci castas e linhagens;
Minha tecedura é agora no silêncio infinito.
Kabir, tendo pesquisado e se pesquisado a si mesmo,
Encontrou Deus em seu interior".

Quando, em nossas meditações, procuramos descobrir o nosso verdadeiro eu, das suas múltiplas máscaras chegaremos por último a um estado interno, que é realmente o mais interessante da vida. Não é inconsciência. Não é sono. Não é sonho. Dentro do seu regaço tornamo-nos conscientes de uma intensa percepção do infinito.

Entrar temporariamente nesta condição transfigura toda a natureza humana.

Quando colocamos a nossa mente em repouso e nos recordamos do que somos, os nossos esforços não necessitam ser mais premiados.

Garantimos o bálsamo para o dia e toda a vida nos parece boa.

Quando a mente se esvazia de todas as imagens e ideias, então ela se torna um espelho claro, em que se reflecte a inefável divindade.

Os nossos cépticos eruditos nos dirão que estes êxtases espirituais são meros distúrbios do sistema nervoso e os médicos provavelmente os rotularão de "excesso de pressão sanguínea", ou outra coisa. Há os que quererão investigar estas asserções num solene conclave.

Mais sábios seriam, no entanto se investigassem os seus próprios eus.

Pois não há melhor prova do eu interno do que experimentá-lo na prática.

É desta maneira peculiar que o homem que segue a senda da meditação, começa a acordar para a liderança da sua intuição.

Quando ele principia a sentir o impulso interior despontar nas profundezas do seu ser; quando começa a obedecer a esse impulso, deixando-o conduzir a sua consciência mais e mais para o seu interior; quando se subordina a esse profundo comando, então transporá o umbral do autoconhecimento e ingressará na câmara interna, onde o aguarda o seu ser real.

Uma vez obtida esta experiência, ainda que momentânea, ele compreenderá algo do que quero dizer ao falar do ser espiritual no homem.

Compreenderá que sem a intervenção dos cinco sentidos, nem do sonho, entrou numa condição maravilhosa, em algo que é real e transformador, que jamais experimentara.

No silêncio absoluto da sua Alma, sentirá que pensar meramente é fazer um ruído sacrílego. Neste estado elevado, ao descobrir a presença do seu eu divino, ele percebe que o melhor pagamento por este privilégio é reunir todos os seus pensamentos sobre o altar sagrado e sacrificá-los.

Neste raro momento o intelecto é cremado e de suas cinzas surge a fênix do verdadeiro eu, o imperecível Eu Superior do homem.

do livro "O Caminho Secreto", de Paul Brunton






Paul Brunton, nascido Raphael Hurst, (21 de Outubro de 1898 — 27 de julho de 1981) foi um filósofo britânico, místico, viajante, e guru. Morreu em 1981, em Vevey, na Suiça.Deixou uma carreira jornalística para viver entre os yogis, místicos, e homens santos da Índia, e estudou uma grande variedade de ensinamentos esotéricos Ocidentais e Orientais. Devotando a sua vida à busca espiritual, Brunton se responsabilizou pela tarefa de comunicar as suas experiências com os demais, sendo a primeira pessoa a escrever a respeito do Oriente com uma perspectiva ocidental. Seus trabalhos são na maioria influências do misticismo ocidental pelo oriental. Tentando expressar seus pensamentos utilizando termos das pessoas leigas, Brunton foi capaz de apresentar o que ele aprendeu do Oriente e das tradições antigas com uma linguagem atual. Os escritos de Paul Brunton enfatizam sua visão de que a meditação e a busca interior não são exclusivamente para monges e ermitões, mas também para pessoas com vida normal, vivendo ativamente no mundo Ocidental. [1]

Paul Brunton nasceu em Londres em 1898 e após ter servido na primeira guerra mundial, começou a devotar-se ao misticismo, entrando em contato com Teosofistas. Em meados de 1930, Paul Brunton embarcou em uma viagem para a Índia, que o levou a ter contato com iluminados como Sri Shankaracharya de Kancheepuram e Sri Ramana Maharshi. De fato, Paul Brunton tem o crédito de introduzir os pensamentos de Ramana Maharshi à cultura ocidental através dos seus livros "A Search in Secret India"(A india secreta) e "The Secret Path" (O caminho secreto).

Após duas décadas de sucesso com seus livros, Paul Brunton retirou-se da vida editorial, devotando-se a escrever ensaios e pequenas notas. Até a sua morte em 1981 em Vevey, Suíça, ele publicou mais de 20.000 páginas de escritos filosóficos.

Um amigo de longa data de Paul Brunton, o filósofo Anthony Damiani, coordenou um esforço de publicar o conjunto de toda a sua obra com uma equipe de várias pessoas, incluindo Paul Cash e Timothy Smith. O editor Sueco-Americano Robert Larson começou a publicar estes 16 volumes em 1984.

"Traga sempre a lembrança o fato que você é um peregrino, e que o mundo não é mais que um lugar, e que as situações em que você se encontra, ou cria para si, devem ser consideradas não somente do ponto de vista mundano, mas de uma busca para nós mesmos." Paul Brunton


http://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Brunton

4 comentários:

direitinho disse...

Não é facil de enteder este seu trabalho e como é um pouco extenso dificulta ainda amis a tarefa.
Penso exactamente do mesmo modo.
A nossa vida é gerida por pensamentos, meditações. São esses trabalhos da consciência que nos levam ao conhecimento de Deus no Cosmos universal.
Nem todos temos esses conhecimentos e tendências interiores. As coisas materiais seduzem-nos e são mais generosas.
Ninguem vive dos pensamentos.
Para não entrarmos em choque ou colapso com estas verdades devemos sempre estudar em maior profundidade as espirituais pois as restantes vem por arrasto normal. Consequência.
Parece que se no interior do homem não houver esse desejo, Meditação, nunca a mesma lhe poderá ser imposta de fora.
Beijinhos Sylvia.
Filosofei com razão ?..?.......

Anônimo disse...

Leia e visite http://pretextoselr.blogspot.com

Abraço.
Eduardo LR

Anônimo disse...

Tenemos una nueva entrada en el blog.
Podés hacer click en http://elperroelocuente.blogspot.com/
Saludos.
Jorge Aloy

Anônimo disse...

Llegó diciembre, aunque no parezca.

Tenemos una nueva entrada en el blog.
Podés hacer click en http://elperroelocuente.blogspot.com/
Saludos.
Jorge Aloy