segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Amor sem mistérios




Music in her soul
Yuroz


Não há amor padecido,
nem difícil ou complicado,
amor é sempre amor, e jamais
por nada, ele faz jus ser culpado.
Aquele que tentar lhe imputar dolo,
sucumbirá ele tolo, em cabal abandono,
pois o amor é um sentir etéreo e soberano.

Somos nós os recalcitrantes,
pseudo-sábios e arrogantes,
recrudescidos em conceitos,
que ousamos culpar o amor,
por nossos tolos desacertos,
porque nós é que somos
os titubeantes e imperfeitos.

O amor entre os pares,
esse amor tão airoso,
que desde o anoso tempo
avança por terras e mares,
invadindo os nossos corações,
nos abismos de boas emoções,
e o nosso nexo  mais nobre e dadivoso.

Primeiro vem a atração
e em seguida a paixão,
se adiante não vir a  paz,
o equilíbrio e harmonia,
foi só um lúgubre logro,
uma mera mega fantasia,
que burlou nossa emoção.

Antonio Poeta
Publicado no Recanto das Letras
em 21/06/2009
Código do texto: T166029

Um comentário:

direitinho disse...

O amor é tudo isso e muito mais, mas se ele não tiver um pouco de razão acabará mais depressa do que começou.
Não podemos viver só e apenas de sentimentos.
O amor é bonito e a paixão também.
Enganos somos nós que os criamos, alimentamos e cuidamos com todo o desvelo.
Com o passar dos anos vemos as figuras que já fizemos quando nos apaixonamos.
É uma doença curável ou um estado de espírito juvenil que pode atacar em qualquer idade.