quinta-feira, 27 de agosto de 2009

.
.
Winter
Lauri Blank
.
.
.
JORNADA
.
Tão longa a jornada!
E a gente cai, de repente,
no abismo do nada.
.
Helena Kolody
.
.
.

L'amazone

Catherine Alexandre

.
A MIRAGEM NO CAMINHO
.
Perdeu-se em nada,
caminhou sozinho,
a perseguir um grande sonho louco.
( E a felicidade
era aquele pouco
que desprezou ao longo do caminho).
.
Helena Kolody
1978

.


.
Daedalus and yhe nymph
Ernst Fuchs
.
.
.
POESIA MÍNIMA
.
Pintou estrelas no muro
e teve o céu
ao alcance das mãos.
.
Helena Kolody
.
.
.
.
The weary moon
Edward Robert Hughes
.
.
.
DEPOIS
.
Será sempre agora.
Viajarei pelas galáxias
universo afora.
.
Helena Kolody
.

3 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

Tantas verdades nestes versos da escritora Helena Kolody.
Ando saudosa de sua companhia, como foi a viagem para Portugal, espero que muito proveitosa, diante de tanta beleza deste País , que admiro muito,
Beijos,
Efigênia

Anônimo disse...

Hay una nueva actualización en http://elperroelocuente.blogspot.com/
Saludos.
Jorge Aloy

direitinho disse...

Estou encantado com o primeiro poema de Pablo Neruda.
Amar e não amar, duas metades da vida. Duas caminhadas errantes.
Se a nossa vida não fosse tambem desamor como poderiamos dar valor ao amor...?
Só há um amor que nunca será desamor. Os nossos filhos. Aqueles que são fruto de um amor verdadeiro e que sempre transportamos cá dentro do nosso peito.
Um beijo de muita saudade.