domingo, 23 de agosto de 2009

.

Carly
Lauri Blank


PARA ATRAVESSAR CONTIGO O DESERTO DO MUNDO

Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei

Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso

Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento

Sophia de Mello Breyner Andresen
Livro Sexto (1962)

Um comentário:

direitinho disse...

Bom dia
De um lado canta a morte que atravessou o mundo deserto e se adaptou a viver nas cores do vento e com ele se vestir.
Do outro lado a sua alma poética canta a luta pela vida dos homens de branco.
Neste mundo por vezes em guerra admiro estes homens de branco e a sua coragem de luta no tempo e contra o tempo para ajudar a vencer as vitimas de tantas falhas no corpo humano.
Quantas vezes ao vê-los por perto nos socega e nos acalma.
Parabens pelo poema.
É bom vêla de volta neste cantinho.